Quarta-feira, 7 de Abril de 2010

Inês e a brincadeira

Quando Inês chegava a casa, depois da escola, almoçava e fazia os trabalhos de casa. Quando acabava os deveres, entregava-se à sua adorada brincadeira. Sempre com os brinquedos espalhados pela casa e na varanda, não quer que ninguém mexa neles. Sempre que vive determinada estória imaginada, muitas vezes, não consegue acabar as aventuras a tempo das refeições e até à noite se despede com saudades deixando tudo pronto para retomar a acção inacabada. As suas brincadeiras são vividas com intensidade emocional. Muitas vezes, na sua voz transparece tanta emoção que a mãe e os irmãos perguntam do piso inferior se está tudo bem, ela, surpreendida, responde que sim. Seja na varanda ou dentro de casa, as brincadeiras são sempre vividas da mesma forma. A sua voz repercute-se pelo espaço em redor enchendo os ouvidos dos curiosos. Sozinha enche um teatro! É um regalo vê-la brincar. Todos os seus bonecos, mesmo os danificados têm um papel importante nas infindáveis aventuras.

Mas as brincadeiras modificam quando ela e os vizinhos se juntam. O entusiasmo é o mesmo, mas toma um rumo diferente. Divertem-se tanto juntos que agora é difícil separá-los!

Quando chega da escola, Inês já não se concentra nos trabalhos de casa. Anda desatenta sempre à procura dos amigos e vice-versa. Quando não é ela que o chama é ele que a chama. O entusiasmo é igual. Sempre que chegam a casa, a primeira preocupação é procurarem-se. Como o amiguito anda no infantário, tem muito tempo para brincar, mas Inês tem de aprender as contas com transporte. Assim, estabeleceram um plano estrito a ser seguido por ela com a ajuda da mãe. A ideia é continuar a realizar o trabalho, antes de Inês se entusiasmar com as aventuras partilhadas.

Uma vez a mãe aborreceu-se com ela. Tinha começado a fazer uma ficha de matemática mas levantava-se com frequência andando de um lado para o outro. Voltava a sentar-se e continuava a resolver as contas. De repente, lembrava-se, e erguia-se para ir à varanda. Ficava por lá uns momentos para regressar depois frustrada. Baixava-se e continuava o trabalho de casa. Quando ouviu uma voz, a sua cabeça espetou-se no ar atenta. Levantou-se num ápice e foi até à varanda. Ao descobrir o amiguito em cima do muro à sua espera, largou apressadamente o lápis em cima da mesa e desapareceu. A mãe chamou-a, respondia mas não obedecia. A mãe, que estava doente, começou a impacientar-se e chegou mesmo a lamentar não ter a filha mais velha presente que a iria buscar pelo braço e a obrigaria a sentar-se à mesa até acabar o trabalho. Não obedecia à avó nem à mãe. Como fazer Inês obedecer? Se ao menos não tivesse tantas dificuldades nas contas… continua a esquecer-se dos que vão de trás. A mãe já a ensinou que a partir da soma dez vai sempre um ou mais de trás que deve somar à coluna seguinte.

Só a noite os separou. A mãe estava muito zangada. Combinou com ela que a primeira tarefa a realizar quando chega a casa são os trabalhos e, de pois, a brincadeira. Enquanto não acabar tudo não pode ir brincar. Há tempo para tudo. Diz ao amigo. “Eu vou fazer os trabalhos de casa e, quando terminar, venho chamar-te!” e quando tiver de ir lanchar basta fazer o mesmo diz ao menino “Espera um bocadinho que vou lanchar” ou “ Vai lanchar também, o primeiro que chegar, chama.

Inês olhou séria para a mãe. Avaliou o rosto severo e percebeu que não estava a brincar. Ficou pensativa.

- Mas se eu disser para esperar ele vai-se embora!

A mãe sorriu.

- Não vai, não! Gosta tanto de brincar como tu ou mais! Estará lá sempre! Ele mora aqui mesmo ao lado. Se não puder brincar numa altura pode noutra. É preciso ter paciência!

Como a mãe a compreendia! A mãe tinha muito trabalho. A diferença de idade entre ela e os irmãos era tão grande, e tinham também as suas responsabilidades, que passava muito tempo entregue a si própria usando a sua imaginação como companhia! É bom mas pode cansar quando a solidão é muita. Mesmo quando é uma solidão acompanhada! Não a poderia censurar. E não estava! Tentava só que ela pudesse fazer tudo de forma a não se prejudicar na escola. A escola também é importante! E ela é inteligente!

publicado por fatimanascimento às 15:51
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Inês e o sol

(Aos meus jovens leitores, sobretudo aos de S. Tomé e Príncipe, onde parece haver inúmeros... Abraço!)

 

Inês andava intrigada. Olhava para todos os lados e não compreendia. O que era aquilo? Era tão forte que até quase não a deixava abrir os olhos. Por mais que se voltasse, ela encontrava-se em todo o lado, inundando toda a paisagem de uma força incrível, e dando-lhe um aspecto mágico e acolhedor. Era aquela luz que lhe aquecia a cabeça nos dias de maior calor, e lhe dava a oportunidade de brincar calmamente, fora de casa, à sombra.

  - Que luz era aquela? – interrogava-se a pequena.

  Os brinquedos inanimados a seu lado, esperavam pacientemente pela atenção da dona, que parecia profundamente distraída com algo que eles desconheciam. Também eles estavam admirados, mas o seu espanto devia-se à incompreensão da atitude da pequena, que abandonara subitamente a brincadeira onde havia estado imersa, durante uns profundos longos minutos. Permaneciam parados olhando na direcção do céu, onde algo captava a atenção da pequenita, que se limitava a mudar de posição, como o girassol, continuando a olhar para os lados e para cima. Chegou mesmo a levantar-se e a esquadrinhar o jardim da casa, seguindo um raciocínio que ela não partilhava com ninguém. Alguns bonecos olhavam incrédulos o céu, para onde ela os deixara virados, quando se havia decidido a parar a brincadeira. Não sabiam o que se passava. Ela não se aborrecera da brincadeira, eles não a haviam incomodado com nada. O que se passaria? Ela parecia agora ter iniciado uma brincadeira que outros, os que se encontravam encostados à parede, não compreendiam. Ela parecia executar uma dança estranha, sempre atenta a algo que eles não compreendiam o que era. Mantinham-se parados, estupefactos, olhando aquela estranha dança que parecia não ter fim. Mesmo eles pareciam atraídos pelos movimentos enigmáticos da gaiata, não conseguindo desviar os olhos dela. O que estaria ela a fazer? O que lhe prendia tanto a atenção a ponto de esquecer os seus amiguinhos? Ao princípio, eles haviam ficado um pouco contrariados, tinham que admitir, tal era o entusiasmo da brincadeira mas, depois, haviam-se limitado a ficar ali, presos àquela nova e inesperada brincadeira inventada pela miúda.

   Subitamente, ela abandonou o pátio onde brincava e dirigiu-se a casa. Chamou a mãe e regressou com ela pela mão. Sentaram-se as duas nos degraus que conduziam à porta de entrada, do lado da casa que dava para a rua. Inês levantou o braço e indicou a paisagem ao redor. Levantou-se e tomou várias posições no jardim.

  - Vês? – questionava a miúda, intrigada. – Para onde quer que eu vá, ele está sempre em cima de mim! Só aqui é que não! – continuava ela enquanto se refugiava na exígua faixa desenhada pela sombra da casa. – O que é esta luz? Por que é que ela me persegue, para onde quer que eu vá? Vês, se eu ponho o pé de fora, ela apanha-me logo!

  A mãe sorriu, o que intrigou ainda mais os bonecos. Ela parecia divertida com aquela estranha situação! Raramente eles a viam reagir assim quando a filha brincava com eles! Teria a pequena descoberto uma nova brincadeira que a faria esquecer-se deles? Não bastavam as flores que, de vez em quando, a distraíam da brincadeira que tinha com eles? Eles não sabiam explicar. Mantinham-se atentos às reacções das duas.

  - Inês, a luz que tu vês é a do sol. – começou a mãe, percebendo a ideia da filha mais nova. – Ele é uma bola muito grande de fogo, que está muito longe. Ele tem uma responsabilidade muito grande para connosco. É ele o responsável pela vida na terra.

  A pequena escutava a explicação da mãe, enquanto caminhava lentamente na sua direcção. A pequena abanou a cabeça em sinal de incompreensão. Percebera só que ele era muito importante.

  - Imagina esta bola grande de fogo. Essa bola, chamada sol, impede-nos que morramos de frio no Inverno. Sabes, aquela estação onde reina o frio. É ela também que faz com que os dias tenham luz, evitando que andemos às escuras…

  - Como acontece quando ele se vai deitar, à noite? - perguntou a menina.

  - Muito bem. É isso mesmo. – respondeu a mãe entusiasticamente. – Imagina como seria a vida se a nossa casa estivesse sempre imersa na escuridão da noite, convivendo só com a fria e distante luz das estrelas. Sem a claridade das manhãs soalheiras… ou mesmo a claridade que nos acompanha, sempre que o céu se cobre de nuvens negras… imaginas como seria triste a nossa existência? Não haveria flores, árvores… nada seria como é. Nem nós seríamos como somos! Tu gostas da praia, sabes que o sol aquece o ar para nós irmos à praia no verão? Se não fosse ele, nós não poderíamos tomar banho, pois estaria sempre muito frio!

  A pequena ficou calada por alguns momentos. A mãe observava-a pacientemente. Parecia ter compreendido.

  - Eu não gostaria de viver num sítio onde fosse sempre noite ou fizesse sempre frio. – concluiu ela. – Seria muito triste. Eu gosto do sol. Não me importo de usar chapéu. Já percebi que ele é um amigo e que está no céu para nos ajudar. Eu gosto do sol!

  Inês pegou nos bonecos, deitados a seu lado, e recomeçou a brincadeira, para grande alívio destes.

 

publicado por fatimanascimento às 11:17
link do post | comentar | favorito

.mapa mensal de contos infantis, desde 10/10/2008

ip-location

.mapa diário de contos infantis

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.posts recentes

. Inês e a brincadeira

. Inês e o sol

.arquivos

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

.tags

. todas as tags

.favoritos

. A manifestação de Braga

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds